Série EmpreendeDORES – Texto 3 – Empreendedor ou empregador?

Empreender no Brasil não é fácil: burocracias, falta de incentivos fiscais, tudo é caro, a instabilidade política e financeira. Só que o brasileiro é por si um povo empreendedor, porque tem criatividade e deseja a liberdade.

Só que falta pensar em mais qualidade, ter mais profissionalismo, fazer as coisas como devem ser feitas.

Muitos dos empreendedores que eu conheço estudam, fazem MBA, ADM, sendo ou não da área de educação física, mas isso, em nenhum segmento, é suficiente para fazer o seu negócio dar certo. Você pode até ter muitas ferramentas, planilhas, processos de gestão, só que tem uma coisa que você não pode perder de vista, o negócio.

Conheço inúmeros donos de academias que são bem-sucedidos, mas ser ou não bem-sucedido não tem a ver com empreendedorismo, e sim com a empregabilidade.

Para falar de empreendedorismo vale citar Nizan Guanaes, fundador da ABC de comunicação:

  1. O homem sensato se adapta, o homem insensato faz o mundo e as coisas se adaptarem a ele. Quantas vezes vemos donos e gestores criando, reinventando e buscando novos meios de fazer as coisas. Essa inquietude é o que te leva ao topo, à busca dos seus objetivos. Pense em quantas coisas você já fez e que não parecia ter sentido, mas que te fizeram chegar até aí. Como cada uma das experiências que pareciam um fardo te motivaram a reinventar. Não faça algo só por nenhum dinheiro do mundo, apenas não faça só por dinheiro.
  2. Empreender tem a ver com fazer as coisas. Todas as histórias de empreendedores de sucesso parecem ter sido mais fáceis do que parecem de fato, isso só é fácil depois que tudo já está pronto. Dá muito trabalho, um trabalho que não para nunca. Que mais te tira o sono do que te deixa tranquilo. E quanto mais cresce, mas trabalho você tem. É claro que vale ir aprimorando seus processos e operação para não se perder.
  3. Empreendedorismo é a gestão dos seus sonhos. É a união da superação, da sabedoria, da resiliência, é estar disposto de verdade a aprender com os seus erros e aprender com os erros dos outros. É estar focado no seu compromisso daquilo que te fez chegar até aqui. E esse compromisso também mobiliza outras pessoas que estão diretamente ligadas a você: sua equipe, seus clientes, seu sócio e sua família. O que você faz com o seu sonho quando a pior das circunstâncias acaba com ele? É nessa hora que o empreendedor é testado, ou seja, qual a sua capacidade de ter um objetivo e insistir nele mesmo quando tudo parece te empurrar na direção oposta. Se você quebra, você será obrigado a se reinventar. O ruim traz o bom, a crise traz oportunidade. Empreendedores bem-sucedidos não estão pensando em dinheiro, estão pensando em realizar e fazer coisas.
  4. Empreender tem a ver com motivação. É graças às pessoas com espírito empreendedor que um país cresce porque há mais oportunidades de emprego, mais necessidade de aprender coisas novas, de inovar e levar quem estiver ao seu lado junto.
  5. Se você quer fazer algo grande, que seja grande como o que você quer. Não existe essa coisa de dizer que empreendedor é solitário, que busca algo individual. Não. Empreender traz gente junto. Se você tem um sócio para dividir, você não empreende. Sócio é que nem marido, tem que somar para ser 2 e não 1.
  6. Você pode escolher não fazer nada disso, mas… quais são os seus propósitos de vida. Ser o super-herói não vai te lavar a lugar nenhum. Quem pensa em fazer as coisas do seu jeito congela as possibilidades de crescimento para o todo. O mundo depende de pessoas com propósito.

E aí vale pensar em 4 lições do Silvio Santos:

1. não se preocupe com elogios

2. não se preocupe com dinheiro

3. faça o seu trabalho

4. tudo só é possível se você tiver saúde.

Se, por algum momento você não se identificou com algum desses pontos, vale a pena pensar se isso é ou não para você.

Não tem nada de ruim não ser empreendedor, o ruim é achar que é e passar a vida cobrando resultados de outras pessoas quando a responsabilidade de fazer a coisa acontecer é sua. Há um grande engano em abrir um negócio esperando que ele por si só reaja. Isso não vai acontecer. Sim, você não precisa ter todas as competências necessárias, não somos bons em tudo, mas entenda que você pode e deve delegar para quem pode efetivamente fazer algo que você não seja capaz

Tenha em mente um ditado americano que diz: earn, learn and serve. Escute, aprenda e divida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *